4 PERGUNTAS – CLOVIS CASEMIRO

07-02-2020

Share Button

No último dia 24 de janeiro, o prefeito da maior cidade do país, sancionou uma lei que que pune a LGBTfobia. Na outra ponta, temos o reconhecimento das 50 pessoas mais influentes no Brasil.

Clovis Casemiro, que ocupa a 20ª posição da lista, começou sua carreira no Turismo em 1979 e trouxe a Associação Internacional de Turismo LGBT (IGLTA) para o Brasil em 1998. Sempre acreditou que o Turismo LGBT traria para nossa comunidade uma visibilidade positiva em termos de empregabilidade e negócios e de todos envolvidos na indústria do Turismo. Hoje, atua à frente da entidade como coordenador e é responsável pelos membros no Brasil, pela prospecção de mais interessados em se associar, além de promover seminários e treinamentos focados na conscientização e no bem receber deste público, realizados em empresas associadas, congressos e participação nas feiras e eventos do Turismo.

Clovis acumula experiência em empresas como Hotéis Othon, Rio Sheraton, Nobile Hotéis, Blue Tree Hotels, TAM Viagens e CVC Viagens, além de ter atuado no escritório de NY para Embratur.

1- No último dia 24 de janeiro, o prefeito de São Paulo Bruno Covas sancionou a lei 17.301 que pune a LGBTfobia em São Paulo, reafirmando seu compromisso com a inclusão e o respeito à diversidade. O que podemos esperar – e desejar! – a partir desse posicionamento da maior cidade do Brasil?

Clovis Casemiro: Segurança no Brasil é caso de polícia, beira o absurdo o aumento da insegurança física. É fundamental o trabalho da prefeitura para incrementar a lei e apoiar o grande problema do desrespeito que vivemos em vários grupos. Somente com força e determinação conseguiremos aplicar e fazer valer os nossos direitos. É impossível que um beijo ou um carinho entre nossos pares seja algo tão “difícil de ser aceito”. Acredito que no Brasil só avançaremos se houver, por parte da comunidade LGBTQ+, a identificação dos problemas e fazendo os BOs para que os órgãos fiquem sabendo e possam acompanhar. Ensinar respeito em uma sociedade que vê crianças e mulheres morrendo é bem dificil, mas não impossível.

2- São Paulo recebe uma das maiores Paradas LGBTQ do mundo, atraindo turistas brasileiros e estrangeiros para a cidade. Além do cunho social do evento, podemos afirmar que há um incremento significativo na economia do destino. Como podemos equalizar melhor a relação responsabilidade social e economia LGBT?

Clovis: Acredito que esta situação da associação da parada com o mercado interno em São Paulo tem evoluído muito ultimamente.
Existe uma total compreensão de que o comércio e o turismo são grandes ganhadores com eventos como a Parada LGBTQ+ de São Paulo ou outras tantas em outras cidades pelo Brasil e pelo mundo.
Podemos dizer que são Paulo ultrapassou essa barreira e temos o movimento de turistas lgbts ao longo do ano em muitos outros programas, de eventos esportivos, culturais, a alguns específicos como festas de grande fluxo em alguns feriados.

3- Como a IGLTA vem preparando as empresas brasileiras para receber os cidadãos LGBTQ+ , seja como clientes ou colaboradores de seus negócios?

Clovis: Nós temos esse serviço oferecido somente para os membros da IGLTA (The International LGBTQ+ Travel Association) , onde identificamos tanto mercado para diferentes tipos de membros, assim como com treinamentos e encontros com suas equipes e fornecedores em eventos específicos.

4- Recentemente você foi reconhecido pela Rede Guiya como um dos 50 LGBT Mais Influentes do Brasil ao lado de outras personalidades da música, empresariado, política, cinema, televisão e imprensa. Como esse reconhecimento contribui para facilitar as relações públicas e estimular a equidade?

Clovis: Este reconhecimento vem de ações contínuas ao longo do ano, trazendo novidades de mercados potenciais e outros mercados muito próximos do nosso que têm excelentes trabalhos com relação ao turista LGBTQ+, como Colômbia ou Argentina. A visibilidade é fundamental para dentro da nossa comunidade e muito mais no mercado como um todo.
Ver nesta lista um senador gay, casado, com filho e um prêmio Pulitzer, já é por si só um exemplo excelente para nossa comunidade.