Influenciadores Digitais no Turismo

04-09-2019

Share Button

O que compartilhamos e aprendemos durante os últimos meses

Entre os meses de abril e junho, nosso diretor palestrou no PANROTAS NEXT, evento da Editora PANROTAS que leva conteúdo para os profissionais do Turismo. Foram cinco edições que contaram com a participação de Alberto G. Martins, que falou sobre o “Uso estratégico de influenciadores digitais: como incluí-los em meu plano de comunicação”. A palestra usou como base a pesquisa realizada pela B4Tcomm, em parceria com a PANROTAS, entre 4 de fevereiro e 12 de março de 2019, que entrevistou 1258 pessoas que trabalham no Turismo. A pesquisa também apontou quem influencia a indústria de viagens, listando os blogueiros, Instagramers, YouTubers e Facebookers mais citados pelos entrevistados.

“Durante as palestras que realizei em Porto Alegre, Brasília, Rio de Janeiro, Campinas e Belo Horizonte, nota-se que ainda há uma certa desconfiança sobre utilizar os influenciadores digitais como canais para o marketing B2C”, afirma Alberto, diretor da B4Tcomm. “Mas também há casos de agências de viagens e outras empresas que já estão se utilizando deles e colhendo bons resultados.”

O mercado de Influenciadores Digitais está se consolidando, apesar de sua constante evolução. Como dependem diretamente das plataformas e redes sociais para exercerem essa influência, é preciso se reinventar constantemente. Não só por conta das atualizações tecnológicas, mas também por conta do comportamento dos consumidores. “A Geração Z, classificada pela ONU como aqueles que nasceram a partir de 2001, é formada por um grupo de indivíduos mais pragmáticos que os millennials que os antecedem, e vem para corrigir os excessos da geração anterior”, analisa Carolina Haro, sócia-diretora da Mapie, que divulgou uma pesquisa sobre a Geração Gol também no PANROTAS Next. “Chamamos de Geração Gol, porque a companhia área nasceu em 2001, revolucionando a aviação brasileira com uma nova proposta e modelo de negócio, democratizando as viagens aéreas no país”, afirma Carolina.

Esses novos consumidores já nasceram 100% digitais e considerar a influência digital nos planos de comunicação das empresas é um caminho sem volta.