4 Perguntas – Carolina Haro

14-08-2019

Share Button

Com os resultados recém-lançados da pesquisa sobre a Geração Gol, fizemos 4 perguntas para Carolina Haro, que é fundadora e sócia-diretora da Mapie, editora do blog e laboratório de inovação turística Disque9 e analista do mercado latino-americano para a Phocuswright.

Doutora em Turismo, atualmente cursando Estratégia e Inovação na MIT Sloan School of Management, Carolina é pós-graduada em Gestão do Conhecimento, Tecnologia e Informação e possui mais de 15 anos de experiência em hotelaria, além de ser uma cidadã global: conhece mais de 35 países e já viveu na Tailândia, Áustria e Espanha.

Seu principal foco de atuação na Mapie são as pesquisas, tendências, conceitos e planos de negócio.

1- Por quê estudar as gerações?

Carolina Haro: Cada indivíduo tem a sua própria personalidade e estilo, mas como humanos somos naturalmente sociais (quase todos :-p) e desejamos pertencer a um grupo em que nos sentimos parte e compartilhamos de valores, crenças e desejos similares.

A geração a qual pertencemos é o nosso primeiro grupo e estudar as gerações nos permite entender as características e comportamentos do coletivo de pessoas que nasceram em um determinado período de tempo e cujos acontecimentos construíram uma forma comum de pensar e agir.

É lógico que há distinções e particularidades entre seus membros, mas quando observamos de forma atenta, percebemos muitas e muitas afinidades e similaridades. Somos impactados pelo contexto que nos rodeia e forjamos nossa personalidade a partir disso. Pessoas nascidas em períodos distintos, vivenciaram mensagens diferentes durante a sua formação, criando, portanto, modelos mentais diferentes.

2- Quais as principais diferenças digitais percebidas entre a Geração Millenial (Y) e a Geração Gol (Z)?

Carolina: Parte dos millennials nasceu ainda no período pré-internet. Apesar deles serem uma geração bastante tecnológica, a primeira geração 100% digital é a Geração Gol. Isso significa que adoção das tecnologias sempre fez parte da vida, é algo tido como garantido e natural. Não há conflitos e nem distinções. É a verdadeira inexistência da separação entre vida on e off-line.

A Geração Gol passa em média 7 horas por dia conectada e 98,29% têm um smartphone. Todas as manifestações do comportamento, desde compras até os relacionamentos afetivos passam, de alguma forma, pelo celular.

3- Você comentou durante o PANROTAS Next que a Geração Y é uma geração de excessos. O que a Geração Gol não carregou consigo e por quê?

Carolina: Na verdade, toda geração tende a corrigir os excessos da geração anterior.  A Geração X cunhou o termo workaholic, estendendo os horários de trabalho e fazendo com que sucesso fosse sinônimo de conquistas materiais. Para corrigir isso, a Geração Y veio com uma forte associação do trabalho e do prazer. Sem carreiras estabelecidas e sempre procurando um propósito maior, esta é a geração da inconstância profissional, do ambiente de trabalho compartilhado e descolado e etc. A Geração Gol olha para isso e pensa: não precisamos de toda esta parafernália. Queremos sim trabalhar com propósito, mas também com estabilidade financeira e respeito à diversidade. Para esta nova geração é bem mais importante zelar pelo crescimento e desenvolvimento em um ambiente que estimule a troca, do que benefícios alternativos e escritórios divertidos com baias móveis e mesas de sinuaca.

4- Como as empresas que lidam com a hospitalidade devem se comunicar com esses novos consumidores?

Carolina: É importante entender que esta geração já influencia a compra dos pais e amigos e que começa a fazer viagens independentes. Obviamente, estão começando a juntar dinheiro para isso e o fator preço/custo total importa. Mas eles estão em busca de momentos de relaxamento e desconexão, entendem as plataformas da economia compartilhada como parte da oferta tradicional e consideram tudo na hora de viajar. Para se comunicar com esta geração é preciso dar acesso; e quando me refiro à acesso estou falando de preço, de informação e de possibilidades. Também é importante respeitar a diversidade em seu sentido amplo e ser muito transparente quanto àquilo que se está oferecendo.

Ficou interessadx em saber mais sobre a Geração Gol? Então acesse os resultados da pesquisa clicando aqui.